Primeiros passos com linters em Go

Linter é uma ferramenta de análise estática de código que é usada para encontrar erros de programação, bugs, falta de padronização de código e até mesmo falhas de segurança. Essas ferramentas ajudam os desenvolvedores pois permitem que bastante tempo seja salvo, já que identificam problemas antes mesmo de chegarem em produção. Além disso, são extremamente utéis no processo de code review, já que salvam os desenvolvedores de desnecessáriamente avaliar se o colega utilizou os padrões da equipe ou não. [Saiba mais]

Introdução a templating em Go

Computadores e linguagens de programação surgiram para facilitar as nossas vidas e automatizar as tarefas do cotidiano. No dia a dia de nós, programadores e engenheiros de software, muitas vezes temos que criar diversos arquivos semelhantes, cujo um ou outro campo muda de forma sutil. Um exemplo claro são arquivos de configuração, faturas, XMLs, HTMLs ou qualquer arquivo que nos permita gerar arquivos similares mudando poucos pontos. Existe uma solução simples para esse problema: criar um template e ir alterando só as partes que preciso de forma manual! [Saiba mais]

Escrevendo plugins para o Kong em Go

O Kong, segundo a própia documentação , é um apigateway open source, criado para a nuvem, agnóstico em plataforma, feito para alta performance e extensível via plugins. O Kong possui uma grande gama de plugins oficiais que nos permitem fazer grande parte das customizações que necessitamos e quando o plugin não está disponível, podemos criar nosso própio plugin. A linguagem padrão para se criar plugins é Lua, contudo outras linguagens são suportadas e uma delas é Go. [Saiba mais]

Introdução a concorrência em Go

Uma das funcionalidades mais legais de Go é a facilidade de se utilizar concorrência. A linguagem nos fornece as chamadas goroutines que são lighweight threads gerenciadas pelo própio runtime do Go. Concorrência nos permite rodar diversas funções ao mesmo tempo. Isso é extremamente útil caso você queira melhorar a performance de sua aplicação. Para utilizar essa funcionalidade, basta colocar a palavra-chave go antes de qualquer função e ela automaticamente vai estar rodando de forma concorrente. [Saiba mais]

Enriquecendo requests com Traefik

Atualmente grande parte dos fluxos de autenticação se baseia em gerar um token, que pode por exemplo usar o padrão JWT, e o frontend faz as requisições informando ao backend quem é o usuário que está de fato realizando a chamada. Isso pode ser observado com as requests do frontend enviando o header Authorization nas requests. É comum que esse token contenha informações do usuário, como por exemplo o id. Então ao receber a requisição, o backend decodifica esse token para extrair essas informações e assim relacionar com algum usuário do banco de dados. [Saiba mais]

Automatizando tarefas com Go

Na vida de uma pessoa desenvolvedora, nos deparamos diversas vezes com tarefas monótonas, repetitivas e sempre nos vem a ideia na cabeça de como podemos automatizar isso. Aqui na Trybe, temos dois cenários bem legais de como Go nos ajudou a automatizar algumas dessas tarefas. O primeiro cenário é o nosso trybe-cli. Isso mesmo, escrevemos um client em Go, para ajudar nossas pessoas desenvolvedoras e executar tarefas repetitivas com alguns comandos. [Saiba mais]